terça-feira, 16 de junho de 2009

(...) O sonífero não tem mais efeito imediato, e já sei que o caminho do sono é como um corredor cheio de pensamentos. Ouço ruídos de gente, de vísceras, um sujeito entubado emite sons rascantes, talvez queira me dizer alguma coisa. O médico plantonista vai entrar apressado, tomar meu pulso, talvez me diga alguma coisa. Um padre chegará para a visita aos enfermos, falará baixinho palavras em latim, mas não deve ser comigo. Sirene na rua, telefone, passos, há sempre uma expectativa que me impede de cair no sono. É a mão que me sustém pelos raros cabelos. Até eu topar na porta de um pensamento oco, que me tragará para as profundezas, onde costumo sonhar em preto-e-branco. (...) Trecho de Leite Derramado, de Chico Buarque.

Um comentário:

  1. É incrível como me identifico com tudo isso...
    E é tão difícil encontrar alguém que possa compreender tantos sentimentos e abstrações em comum....

    ResponderExcluir