sábado, 31 de maio de 2008

Não mais

Não mais imaginarei sua face,
seus olhos,
sua boca...

Deixarei de pensar em você e me calarei...

Tudo se desmancha no ar...
como se nada fosse
nem nunca tivesse sido...

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Incoerência

Duplos sentidos
sentidos
e opostos
no infinito
nas ruas
e avenidas
que cruzam
suas pernas e quadris
onde não estás
nem te escondes
e te não calas
pra me confundir.

Gosto quando te calas

"Gosto quando te calas porque estás como ausente, e me ouves de longe, minha voz não te toca. Parece que os olhos tivessem de ti voando e parece que um beijo te fechara a boca". Pablo Neruda.

Por aí

Aonde vão meus pensamentos
corriqueiros e nem tanto
com você tão perto e ao mesmo tempo tão distante

minha saudade está em você.

terça-feira, 27 de maio de 2008

Quase um segundo

Eu queria ver no escuro do mundo
Onde está tudo que você quer
Pra me transformar no que te agrada
No que me faça ver
Quais são as cores
E as coisas pra te prender
Eu tive um sonho ruim e acordei chorando
Por isso eu te liguei
Será que você ainda pensa em mim
Será que você ainda pensa
Às vezes te odeio por quase um segundo
Depois te amo mais
Teus pêlos, teu gosto, teu rosto, tudo
Que não me deixa em paz
Quais são as cores
E as coisas pra te prender
Eu tive um sonho ruim e acordei chorando
Por isso eu te liguei

Quase um segundo (Herbert Vianna)

Ilegais

Eu só sei que eu quero você
Pertinho de mim
Eu quero você...

Vanessa da Mata

O que acontece?

O que acontece de repente...
quando bate esse vazio...
que só você sabe como preencher????

terça-feira, 20 de maio de 2008

As Pontes de Madison


Fale com ela


Tomates verdes fritos


Hagar


O poço....

Cais, às vezes, afunda
sem teu fosso de silêncio,
em teu abismo de orgulhosa cólera,
e mal consegues
voltar, trazendo restos
do que achaste
pelas profunduras da tua existência.
Meu amor, o que encontra
sem teu poço fechado?
Algas, pântanos, rochas?
O que vês, de olhos cegos,
rancorosa e ferida?
Não acharás, amor,
no poço em que cais
o que na altura guardo para ti:
um ramo de jasmins todo orvalhado,
um beijo mais profundo que esse abismo.
Não me temas, não caias
de novo em teu rancor.
Sacode a minha palavra
que te veio ferir
e deixa que ela voe pela janela aberta.
Ela voltará a ferir-me
sem que tu a dirijas,
porque foi carregada
com um instante duro
e esse instante
será desarmado em meu peito.
Radiosa me sorris
e minha boca fere.
Não sou um pastor doce
como em contos de fadas,
mas um lenhador que comparte contigo
terras, vento e espinhos das montanhas.
Dá-me amor, me sorri
e me ajuda a ser bom.
Não te firas em mim, seria inútil,
não me firas a mim porque te feres.
Pablo Neruda

domingo, 18 de maio de 2008

Naquele tempo...

eu ainda acreditava

mas nao acreditava em mim

hoje eu acredito em mim

e não acredito mais naquele tempo!

Alberto Caieiro

Sou um guardador de rebanhos.

O rebanho é os meus pensamentos

......

Eu não sei o que penso

Nem procuro sabe-lo.

......


Fôssemos nós como devíamos ser

E não haveria em nós necessidade de ilusão ...

Quem tem alma não em calma...

"Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma."

Alberto Caieiro

Quem tem alma não tem calma
alma que clama pela vida
alma que ama
alma que tem medo de amar
alma que cala pra confundir
que se fecha pra não falar
alma que perturba e dorme...
dorme pra não lembrar...

Palavras e mundos vastos

Dias delicados
palavras delicadas
reservas
silêncio
Nada sei
Não entendo
Não procuro mais sinais
Nem verdades
Nem mesmo meias verdades
Vive-se o momento
O momento belo e pleno
Na sua beleza de ser o que é
Um momento
Como se hoje fosse mais leve
E a saudade de amanhã um complemento
Um prazer encontrado no fundo da dor?
Não um novo amor
Talvez desejasse ser...
Talvez apenas um desejo...
Uma voz
Sua voz
Não quero mais teus olhos perto dos meus
Eles me confundem
Não quero mais teu silêncio perturbador

O que me leva até você?. .......

Tudo sempre tudo e nada

Aonde eu for irão seus olhos
uma doce lembrança ignorando suas palavras amargas
seu coração sente e sua boca cala
seu corpo diz aquilo que você nega
e a distância vivida parace maior a cada dia
você volta e mistura tudo
saudade, desejo, vontade
tudo tão intenso e vago ao mesmo tempo
tudo e nada


sem razão para continuar com isso
mas continuas
quantas palavras duras
pra que?
se quando tu estas
tudo se dissolve nos teus braços

....

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Como não querer...

"Quero apenas cinco coisas...
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando".
É meio assim que me sinto...

Hélade


domingo, 11 de maio de 2008

domingo, 4 de maio de 2008

Pessoas

"Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir. Sentir tudo de todas as maneiras. Sentir tudo excessivamente, Porque todas as coisas são, em verdade, excessivas E toda a realidade é um excesso, uma violência, Uma alucinação extraordinariamente nítida Que vivemos todos em comum com a fúria das almas..." Alvaro de Campos
*****************************************************************************************************************
A flor que és, não a que dás, eu quero.
Porque me negas o que te não peço.
Tempo há para negares
Depois de teres dado.
Flor, sê-me flor! Se te colher avaro
A mão da infausta esfinge, tu perere
Sombra errarás absurda,
Buscando o que não deste.
Ricardo Reis
*****************************************************************************************************************
Às vezes tenho idéias felizes, Idéias subitamente felizes, em idéias E nas palavras em que naturalmente se despegam... Depois de escrever, leio... Por que escrevi isto? Onde fui buscar isto? De onde me veio isto? Isto é melhor do que eu... Seremos nós neste mundo apenas canetas com tinta Com que alguém escreve a valer o que nós aqui traçamos?... Alvaro de Campos

A Criança Que Pensa Em Fadas

A CRIANÇA que pensa em fadas e acredita nas fadas
Age como um deus doente, mas como um deus.
Porque embora afirme que existe o que não existe
Sabe como é que as cousas existem, que é existindo,
Sabe que existir existe e não se explica,
Sabe que não há razão nenhuma para nada existir,
Sabe que ser é estar em algum ponto
Só não sabe que o pensamento não é um ponto qualquer.
Fernando Pessoa
******************
Existir existe e não se explica.... só mesmo por Fernando Pessoa....

Fernando Pessoa

Há doenças piores que as doenças,
Há dores que não doem, nem na alma
Mas que são dolorosas mais que as outras.
Há angústias sonhadas mais reais
Que as que a vida nos traz, há sensações
Sentidas só com imaginá-las
Que são mais nossas do que a própria vida.
Há tanta coisa que, sem existir,
Existe, existe demoradamente,
E demoradamente é nossa e nós...
Por sobre o verde turvo do amplo rio
Os circunflexos brancos das gaivotas...
Por sobre a alma o adejar inútil
Do que não foi, nem pôde ser, e é tudo.

Dá-me mais vinho, porque a vida é nada.


Fernando Pessoa

sábado, 3 de maio de 2008

Maio 68


Cartazes de rua - Maio de 68


Revolta Estudantil de Maio de 68


Veja:
"Trabalhar no atelier popular é apoiar concretamente o grande movimento dos trabalhadores em greve que ocupam as fábricas contra o governo gaullista antipopular. Pondo todas as suas capacidades aos serviço da luta dos trabalhadores, cada um neste atelier trabalha para si, porque se abre pela prática ao poder educador das massas populares."
"Há sempre uma imagem chamativa, acompanhada de um texto curto e forte. Trabalha-se com as formas e desenhos simples. O texto encontra-se acima ou abaixo da imagem, dialogando com ela. O aspecto bruto da realização e o humor ou a ferocidade das palavras de ordem ajudam a dar uma impressão de força e de eficácia das mensagens veiculadas. Assim, estes cartazes tiveram um papel importante na mobilização e na difusão das ideias claramente libertárias destas semanas." do mesmo site acima.

Maio de 68


Debaixo dos caracóis

Um dia a areia branca
Seus pés irão tocar
E vai molhar seus cabelos
A água azul do mar
Janelas e portas vão se abrir
Pra ver você chegar
E ao se sentir em casa
Sorrindo vai chorar

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Uma história pra contar de um mundo tão distante
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Um soluço e a vontade de ficar mais um instante

As luzes e o colorido
Que você vê agora
Nas ruas por onde anda
Na casa onde mora
Você olha tudo e nada
Lhe faz ficar contente
Você só deseja agora
Voltar pra sua gente

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Uma história pra contar de um mundo tão distante
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos
Um soluço e a vontade de ficar mais um instante

Você anda pela tarde
E o seu olhar tristonho
Deixa sangrar no peito
Uma saudade, um sonho
Um dia vou ver você
Chegando num sorriso
Pisando a areia branca
Que é seu paraíso

Debaixo dos caracóis dos seus...

Roberto Carlos

**************
Ai mundo... mundo.... vasto mundo, como diria Drummond, mais vasto é o meu coração....

Se eu me chamasse Raimundo, seria uma rima, não seria uma solução.... a ordem não é essa, mas meu coração está confuso assim como está este poema feito em pedaços...



sexta-feira, 2 de maio de 2008

Podia ser o mundo é um moinho, mas...



Basta de clamares inocência
Cartola

Basta de clamares inocência
Eu sei todo o mal que a mim você fez
Você desconhece consciência
Só deseja o mal a quem o bem te fez
Basta, não ajoelhes, vá embora
Se estás arrependida, vê se chora
Quando você partiu, me disse: "Chora!", não chorei
Caprichosamente fui esquecendo que te amei
Hoje me encontras tão alegre e diferente
Jesus não castiga o filho que está inocente

Acabou

Não haverá palavras.

Nem explicações.

Nem retornos ao passado.

Não haverá nem lembranças, talvez...

Não haverá anulação, insensatez, ignorância de sentidos,

Mas haverá paz!

E essa.... nem mesmo você será capaz de tirar de mim!

Fases


...

Se dói... é porque ainda é amor!!!

Se há indiferença.... talvez nunca tenha sido!

O silêncio


o silêncio

era pra ter ficado apenas no silêncio

até que primeiro surgisse a sua voz

até que primeiro manifestasse o teu olhar

até que então você me perguntasse

o por que do silêncio

depois daquela saudade!


Outono

Muitas vezes me sinto como as folhas que caem no outono... secas...
e assim queria permanecer, por um longo tempo...
seca
sem nada sentir
sem lágrimas
anestesiada
como se nada pulsasse em mim
sem a dor a saudade
assim como hoje está....
se não dói é porque já não é amor
e se não é amor, não tem porque acreditar!

quinta-feira, 1 de maio de 2008

"- O senhor - respondi - falou da vontade. Nos contos de Mabinogion, dois reis jogam xadrez no alto de uma colina, enquanto embaixo seus guerreiros combatem. Um dos reis ganha a partida; um cavaleiro chega com a notícia de que o exército do outro foi vencido. A batalha de homens era o reflexo da batalha do tabuleiro.- Ah, uma operação mágica - disse Zimmermann.Respondi-lhe:- Ou a manifestação de uma vontade em dois campos diferentes."
Guayaquil, de Jorge Luis Borges, in Obras Completas, volume 02, pág 475

"A tela negra ocupando nossa visão e, logo, um clarão acompanhado por um coro. Em seguida, outro clarão que vai definindo o tenebroso céu claro-escuro. Uma águia paira no céu, como se flutuasse numa maré calma de fim de tarde. A introdução de "O sétimo selo" (Det Sjunde Inseglet, 1956), de Ingmar Bergman, nos aterroriza e deslumbra ao mesmo tempo, preparando o terreno para a história que está para ser contada..." por Hugo Harris

Sobre o filme o Sétimo Selo, de Bergman


Esperando Godot


- Eu não suportaria a tua ausência...

- Eu suportaria. Acho.

- ... .vá pela direita então... que eu sigo pelo centro...

- ... melhor dar cabo desta estória...será que alguém além da gente Espera por Godot..?

- ... faz semanas que ninguém aparece...
- Deixe disso Gogô, amanhã Godot virá com toda certeza!

- Espero que ele chegue, pois já não aguento tanta espera...

- Você acha mesmo que ele chega amanhã? Eu já desacredito de certas coisas...

- Não sei. Posso contar uma história?

- Seja breve já que é tarde...

- Conta, conta logo...

- De vez enquando me pergunto se não seria melhor nos separarmos.

- E para quê?

- ... para tentar encontrar Godot mais rápido.
- Vamos embora

- Não podemos

- Por que?

- Estamos esperando Godot.