quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Feliz 2012!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

trouxe cores e lembranças, imagens e sonhos, trouxe comigo o futuro... o presente já se desfez... em passado se transformou... cá estamos nós de novo.... em fiapos de memórias.... para onde vamos? espero e me calo... não durmo... a noite é quente e as palavras são poucas.... 
falta tempo.... tempo... para ser e sentir.... para ver, para ouvir... falta tempo....

sábado, 26 de novembro de 2011

Milton Nascimento - Ponta de Areia (Sand Edge)

muitas vezes, não sinto nada... em outras... sinto tudo!!!
(...)Porque se chamavam homens Também se chamavam sonhos E sonhos não envelhecem (...)
E basta contar compasso E basta contar consigo Que a chama não tem pavio De tudo se faz canção E o coração na curva De um rio (...)
E o rio de asfalto e gente Entorna pelas ladeiras Entope o meio-fio Esquina mais de um milhão Quero ver então a gente, gente Gente, gente, gente, gente, gente E lá se vai 
Lô Borges - Clube da Esquina 2

Socorro


Socorro!
Não estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir...
Socorro!
Alguma alma mesmo que penada
Me empreste suas penas
Já não sinto amor, nem dor
Já não sinto nada...
Socorro!
Alguém me dê um coração
Que esse já não bate nem apanha
Por favor!
Uma emoção pequena, qualquer coisa!
Qualquer coisa que se sinta...
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva...
Socorro!
Alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento
Acostamento, encruzilhada
Socorro! Eu já não sinto nada...
Socorro!
Não estou sentindo nada [nada]
Nem medo, nem calor, nem fogo
Nem vontade de chorar
Nem de rir...
Socorro!
Alguma alma mesmo que penada
Me empreste suas penas
Eu Já não sinto amor, nem dor
Já não sinto nada...
Socorro!
Alguém me dê um coração
Que esse já não bate
Nem apanha
Por favor!
Uma emoção pequena qualquer coisa!
Qualquer coisa que se sinta...
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva...
(Arnaldo Antunes/Alice Ruiz)

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

o tempo... o passado, paredes e luzes... música... jazz... Miles Davis, blue in green by. tantas coisas... lembranças já esquecidas??? 
Estou aqui pensando em filmes sobre... comida!!! Estava aqui me lembrando da "Festa de Babette". Quantas cenas deliciosas nesse filme... dá água na boca não dá???

terça-feira, 25 de outubro de 2011


A Liberdade é Azul - dirigido por Krystof Kieslowski é um dos filmes que tenho em casa, daqueles que vejo e revejo muitas vezes. Essa cena, de Juliette Binoche (Julie) na piscina me toca de uma forma particular. Uma imensidão azul.... que incorpora a tristeza que a personagem sente naquele momento.... é uma tristeza que a faz voltar ao passado, mas que ao mesmo tempo... a liberta... a faz seguir em frente... e ela segue....



ahhh chuva.... chuva que leva pra longe meus pensamentos.... chuva que cai forte e lava a alma... aquieta e depois desacomoda.... há um rio em mim..... há caminhos a serem trilhados.... há medos a serem vencidos... hoje a noite vai ser de filmes e vinhos... um respiro nessa vida louca!!!  

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

domingo, 9 de outubro de 2011

Perdí mis mejores años siendo mantenida por un hombre, sin hacer nada aparte de lo que creía que lo beneficiaría y ayudaría. Nunca pensé en mí misma y, después de seis años, la respuesta de él es que la fidelidad es una virtud burguesa, que sólo existe para conocer [las personas] y para lograr ganancias económicas. (...) Sé que fui tan estúpida como se puede ser, pero fui sinceramente estúpida. Imagino, o por lo menos espero, que me recobraré poco a poco. Voy a intentar crear una vida nueva, colocando mi energía en algo que me ayude a superar esto del modo más inteligente.

Frida Kahlo

Casa de Frida


sexta-feira, 7 de outubro de 2011

terça-feira, 4 de outubro de 2011

sabe... se você ler isso... estou aqui pensando... em coisas que não poderia dizer a mais ninguém... a não ser à você...

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Louise Michel

“Não se pode matar a Idéia a tiros de canhão, nem tão pouco acorrentá-la.”
— Louise Michel

sábado, 17 de setembro de 2011

"Uma pessoa é uma pessoa diferente para cada um. Uma pessoa são muitas pessoas juntas numa só. Uma pessoa vai sendo várias pessoas ao longo do tempo e por vezes tem dificuldade em se reconhecer naquilo que foi."

Histórias Verdadeiras, Pedro Paixão

o silêncio, às vezes, é o melhor remédio!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Eu já estou com o pé nas estradas
Qualquer dia a gente se vê
Sei que nada será como antes
Amanhã!...

Que notícias me dão dos amigos?
Que notícias me dão de você?
Alvoroço em meu coração
Amanhã ou depois de amanhã
Resistindo na boca da noite
Um gosto de sol...
(...)

Lo Borges

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

não há o antes e nem o depois, só o momento importa.
é esquisito. vontade maldita... de te beijar... de sentir teu cheiro... e perco o sono... lutando em vão contra essa saudade... vontade...desejo...
fico aqui pensando, na madrugada... por quanto tempo consigo resistir... a você?
Joguei sobre você tantos medos, tanta coisa travada, tanto medo de rejeição, tanta dor. Difícil explicar.

CFA
Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Caio F Abreu
"Não me torture
Não simule
Não me cure
De você..."

Marisa Monte
me falta coragem quando o assunto é você...

quinta-feira, 1 de setembro de 2011



Noite fria com chá...

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Paradeiro

Haverá paradeiro
Para o nosso desejo
Dentro ou fora de um vício?

Uns preferem dinheiro
Outros querem um passeio
Perto do precipício.

Haverá paraíso
sem perder o juízo e sem morrer?

Haverá pára-raio
Para o nosso desmaio
No momento preciso?

Uns vão de pára-quedas
Outros juntam moedas
antes do prejuízo

Num momento propício
Haverá paradeiro para isso?

Haverá paradeiro
Para o nosso desejo
Dentro ou fora de nós?

(Arnaldo Antunes e Marisa Monte)

domingo, 28 de agosto de 2011

ainda estou aqui... mais calada, mais distante... mais cautelosa... mas ainda estou...

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

É uma necessidade conversar com os poetas. E se os poetas morrerem, provocarei os mortos, as flores do mal que estão na minha estante. Pagu


Pagu

"Sou sua noite, sou seu quarto
Se você quiser dormir
Eu me despeço
Eu em pedaços
Como um silêncio ao contrário
Enquanto espero
Escrevo uns versos
Depois rasgo (...)"

Uns Versos
Adriana Calcanhotto
desejo louco... ou desejo de louco!!! aiaiaia... o que será dessa vez??? ou quando será??? e continua sendo você...

E me pergunto se, quem sabe um dia, na hora certa, nosso encontro pode acontecer inteiro..!

Caio Fernando Abreu

Aos poucos a gente vai mudando o foco.
Você começa a precisar de outros lugares.... E de outras pessoas!!!

Caio Fernando Abreu
Frase compartilhada por Natália Coutinho em 23-07-2011

quinta-feira, 28 de julho de 2011

"Mas se eu tivesse ficado, teria sido diferente? Melhor interromper o processo em meio: quando se conhece o fim, quando se sabe que doerá muito mais -por que ir em frente? Não há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia –qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê. Melhor do que não sobrar nada, e que esse nada seja áspero como um tempo perdido."

Caio Fernando Abreu

We Never Change

I want to live life, and never be cruel
And I want to live life, and be good to you,
And I want to fly, and never come down,
And live my life, and have friends around

We never change, do we?
No, no.
We never learn, do we?
So I want to live in a wooden house

I want to live life, and always be true
And I want to live life, and be good to you,
And I want to fly, and never come down,
And live my life, and have friends around

We never change, do we?
No, no.
We never learn, do we?
So I want to live in a wooden house
But making more friends would be easy

Oh and I don't have a soul to save,
Yes and I sin every single day.

We never change, do we?
We never learn, do we?

So I want to live in a wooden house,
Making more friends would be easy,
I want to live where the sun comes out.

Coldplay

(...) E quando eu me apaixonei
Não passou de ilusão
O seu nome rasguei
Fiz um samba-canção
Das mentiras de amor
Que aprendí com você (...)


Chico Buarque (Lígia)
vida... presenças e ausências... desejos e vontades... cheiros... sabores... fecho os olhos... é em você que eu penso... é você, que mesmo que eu não queira... (ou talvez até queira...) não me sai do pensamento...
"...eu prefiro ser insociável e taciturna. Torna tudo mais agradável, não concorda?..."

Elizabeth Bennet em diálogo com Sr. Darcy, em Orgulho e Preconceito, filme baseado na obra de Jane Austen

que sentimento é esse?
não dói... queima...
é mais desejo que saudade...
e é você, sempre foi você... e vai continuar sendo você....
coisas que não são... talvez nunca serão.... coisas que sinto... principalmente quando você está por perto... coisas que queria não sentir... coisas que talvez fosse melhor esquecer...coisas... que talvez estejam pra acontecer... se eu deixar que aconteçam...

domingo, 24 de julho de 2011


Onde está o seu tesouro... ali está o seu coração!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

noite
sem sono
madrugada
avança

quarta-feira, 20 de julho de 2011

quarta-feira, 13 de julho de 2011

"Palavras apenas
Palavras pequenas
Palavras (...)"
há coisas que não tem explicação... fico aqui pensando... no que pode ser... no que não pode... e o que não pode, tem muita força!!!

sábado, 9 de julho de 2011

Chico sobre João Gilberto

Quando apareceu Chega de Saudade, foi um choque tremendo, me lembro perfeitamente. Ficava horas, a tarde inteira ouvindo aquilo, ouvindo, ouvindo, ouvindo... Conhecia o violão de João Gilberto desde o disco da Elizeth Cardoso, Canção do amor demais, um disco que freqüentou muito a Telefunken dos meus pais. João tocou violão em duas faixas, “Outra vez” e “Chega de saudade”. Mas a gravação de João Gilberto era diferente. Eu nem sabia que “Chega de saudade” era do Tom Jobim, tanto que, ao pedir dinheiro aos meus pais para comprar o disco, disse que a música era do Vinicius de Moraes, o autor da letra e amigo do meu pai. Ouvia Chega de Saudade sem parar. Eu e um amigo meu de rua ficávamos ali, com violão, tentando decifrar a batida e as harmonias de João. Quando saiu o primeiro long-play do João Gilberto, a gente repetia “Aos pés da cruz” não sei quantas vezes na tentativa de fazer aquela introdução. Por morar em São Paulo, eu levava uma desvantagem em relação ao pessoal do Rio. Não havia televisão na minha casa. De vez em quando, chegava um amigo, dizendo: "Vi aquele cara esquisito que você gosta na televisão." João Gilberto apareceu como uma coisa misteriosa. Ele era diferente de tudo até para um jovem de 18 anos. Eu tinha 14 anos e, na época, ter quatro anos a menos significava uma diferença brutal.

*Chico em entrevista a Almir Chediak, 1999

http://musica.uol.com.br/ultnot/2011/06/07/joao-gilberto-80-anos-chico-gal-caetano-gil-e-roberto-carlos-falam-sobre-a-primeira-vez-que-ouviram-o-musico.jhtm

Veio até mim
Quem deixou
Me olhar assim
Não pediu
Minha permissão
Não pude evitar
Tirou meu ar
Fiquei sem chão...

(...)

Alec Haiat / Céu
"alma gêmea? eu desejo uma alma como a minha, que sente, que chora, que ri e que sonha... que goste de música, literatura, cheiro de chuva e de mato, de pé no chão, de rede e de caminhar... que goste de poesia, que goste de Goya, que goste de cinema, de vinho com chocolate, de café e pão feito em casa, de almoço de família, de viajar, de cantar, de silêncio, de jazz, de frio, de Frida, de Neruda e de Ernesto... será???"

Frida Kahlo

"Não quero medir a altura do tombo, nem passar agosto esperando setembro..."

(...) Então me diga
Se você ainda gosta de mim
Porque de você eu gosto
Isso não deve ser assim
Tão ruim

Há quanto tempo eu conheço você
Oh, quanto tempo eu ainda vou precisar
E eu dependo do que eu não entendo
Eu pretendo apenas
Que você saiba que isso é meu amor

Me Diga

Nando Reis

Frida


Cena do filme Frida
O Carteiro e o Poeta (Trecho)


"(...) Mas também queria
pedir uma coisa, Mario,
que só você pode cumprir.
Todos os meus outros amigos
ou não saberiam o que fazer
ou pensariam que sou um
velho caduco e ridículo.
Quero que você vá com
este gravador passeando
pela Isla Negra e grave todos
os sons e ruídos que vá encontrando.
Preciso desesperadamente de algo,
nem que seja o fantasma da minha casa.
A minha saúde não anda
nada bem. Sinto falta do mar.
Sinto falta do mar.
Sinto falta dos pássaros.
mande para mim os sons
da minha casa. Entre no jardim
e faça soar os sinos.
Primeiro grave esse repicar suave dos
sininhos pequenos quando o
vento bate neles, e depois puxe
o cordão do sino maior cinco, seis
vezes. Sinos, meus sinos! Não há
nada que soe tão bem como a palavra
sino se a penduramos num
campanário junto ao mar. E depois
vá até as pedras e grave a
arrebentação das ondas.
E se ouvir
gaivotas, grave.
E se ouvir
o silêncio das estrelas siderais, grave.(...)



http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=78991#ixzz1RfCzCiiq

O carteiro e o poeta

quinta-feira, 7 de julho de 2011

"(...) Você é uma loucura em minha vida
Você é uma navalha para os meus olhos
Você é o estandarte da agonia que tem a lua e o sol do meio-dia (...)"

Vampiro
Jorge Mautner


quarta-feira, 6 de julho de 2011

O capoeira


— Qué apanhá sordado?
— O quê?
— Qué apanhá?
Pernas e cabeças na calçada.

Oswald de Andrade
possibilidades...sonhos...um dia de cada vez... e as coisas de repente vão acontecendo... e os sentimentos mudando, e o passado vai ficando cada vez mais distante e vazio...
E mais uma vez:

"Não sou pra todos. Gosto muito do meu mundinho. Ele é cheio de surpresas, palavras soltas e cores misturadas. Às vezes tem um céu azul, outras tempestade. Lá dentro cabem sonhos de todos os tamanhos. Mas não cabe muita gente. Todas as pessoas que estão dentro dele não estão por acaso. (...)"

Caio Fernando Abreu

É isso!!!!

domingo, 3 de julho de 2011

A arte de perder

A arte de perder não é difícil de dominar
Tantas coisas parecem cheias da intenção de serem perdidas
Que sua perda não é um desastre.

Perca alguma coisa todos os dias
Aceite o contra-tempo de perder as chaves da porta
A hora gasta inútilmente.
A arte de perder não é difícil de dominar.

Depois, pratique perder mais, perder mais rápido
Lugares, nomes, situações….tantas coisas

Eu perdi duas cidades, dois rios, um continente
Eu os perdi, mas não foi um desastre.
Até mesmo perder você, a voz brincalhona
aquele gesto que eu adoro
Eu não terei mentido, é evidente

A arte de perder não é difícil de dominar
embora sempre continue parecendo um desastre.

- Elizabeth Bishop
se as coisas vão mal, é porque alguma coisa você tem que aprender com elas.... e com o tempo acho que a gente aprende a recomeçar sem olhar muito pra trás.... olhamos pro que tem que ser feito, e seguimos em frente!!! talvez, seja simples assim!

sábado, 2 de julho de 2011

não quero menos, quero mais... entende? por isso o meu silêncio!

Você dita ao meu coração
O que ele não quer aprender, Zé
Você quer que o meu coração
Siga a tua receita só
Não, quero que aceite
O jeito que eu te dou de mulher
Não, e aproveite
O resto o tempo dá jeito

Mesmo que tenha a minha oração
Que você dispensa Zé
Você faz com que o meu coração
Siga a tua beleza só
Vá lembrar a tardinha
Quando nos conhecemos Zé
Havia uma beleza ali
Ou era criatividade minha

Quando andava pela rua
Cor de sol amarelo ouro
Me fitava e eu me avermelhando
Som de jardim de sonho
Zé era seis da tarde
Dia e escuridão
Tinha tom, sino e alarme
Roubando o meu coração

Vanessa da Mata

Entre as coisas mais lindas que eu conheci
Só reconheci suas cores belas quando eu te vi
Entre as coisas bem-vindas que já recebi
Eu reconheci minhas cores nela então eu me vi (...)

Nando Reis
fico aqui pensando que as coisas são um tanto estranhas... fico procurando sentidos... significados... há coisas adormecidas dentro de mim... quanto mais penso nelas menos eu as sinto...
não é medo. é uma certeza. certeza daquilo que eu sou, daquilo que quero e que não quero. e não quero você.

Palavras ao Vento

Ando por aí querendo te encontrar
Em cada esquina paro em cada olhar
Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar
Que o nosso amor pra sempre viva
Minha dádiva
Quero poder jurar que essa paixão jamais será
Palavras apenas Palavras pequenas Palavras
Ando por aí querendo te encontrar
Em cada esquina paro em cada olhar
Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar
Que o nosso amor ora sempre viva
Minha dádiva
Quero poder jurar que essa paixão jamais será
Palavras apenas
Palavras pequenas
Palavras momentos
Palavras, palavras
Palavras, palavras
Palavras ao vento

Composição: Marisa Monte, Moraes Moreira

ernest hemingway

(...) Por trás do que acontecia, eu redescobria magias sem susto algum. E de repente me sentia protegido, você sabe como: a vida toda, esses pedacinhos desconexos, se armavam de outro jeito, fazendo sentido. (...)

Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Gabriel Garcia Marquez

"Quando se deseja realmente dizer alguma coisa, as palavras são inúteis. Remexo o cérebro e elas vêm, não raras, mas toneladas. Deixam sempre um gosto de poeira na boca - a poeira do que se tentava expressar, e elas dissolveram. Quanto mais palavras ocorrem para vestir uma idéia, mais essa idéia resiste a ser identificada. As sucessivas roupas sufocam a sua nudez. E todas as palavras são uma grande bolha de sabão, às vezes brilhante, mas circundando o vazio."
Caio Fernando Abreu

quarta-feira, 29 de junho de 2011

sabe.... isso, é sempre gostoso!!!
se eu pudesse agora ... estaria nos seus braços, sem pensar em mais nada, sem pensar no antes ou no depois desse momento... ele por si só, bastaria!
As palavras saem quase sem querer, Rezam por nós dois. Tome conta do que vai dizer. Elas estão dentro dos meus olhos/ Da minha boca, dos meus ombros/ Se quiser ouvir/ É fácil perceber (...)

Vanessa da Mata
anoitece... silêncio, luzes... frio.... e você ao mesmo tempo tão perto e tão longe....
é só ver seu nome ali que tudo desaba... que coisa é essa??!!! que sentimento é esse???!!! algo que você quer esquecer mas não consegue... algo que você chega a achar que esqueceu até algo te lembrar... um rosto, um nome, uma presença...

terça-feira, 28 de junho de 2011

Michelangelo Antonioni

(...) “O Eclipse” é talvez o mais fabuloso filme da história do cinema sobre a ausência do amor, ou sobre a incapacidade de viver o amor enquanto sentimento mobilizador e catalisador de felicidade entre seres humanos. Como acontecerá na obra posterior de Antonioni (“Deserto Vermelho”) é a personagem feminina, protagonizada pela fascinante Monica Vitti, quem encarna a personificação da tragédia do vazio e da incomunicabilidade do ser humano com as concepções existenciais do mundo novo-burguês. Em “O Eclipse”, também é Vitti quem interpreta a jovem de origem humilde, com uma mãe viciada no jogo primordial do capitalismo popular, a Bolsa, que rompe uma relação de amor de vários anos com um homem financeiramente bem sucedido. As causas da separação, que surgem sugeridas nessa opacidade sempre constante no modo como Antonioni vislumbra as relações entre as suas personagens, são o vazio, o tédio, e poder-se-iam resumir numa frase enunciadora do estado de eclipse do sentimento, na afirmação da própria negação, como o é esse lapidar exercício de termo que consiste no “gostaria de te amar ou amar-te mais”.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

é estranho... melhor nem tentar entender... há coisas que precisam ser esquecidas, deixadas no vazio...

domingo, 26 de junho de 2011

Insônia brava!!!

Goya

O Que Foi Feito De Vera

Alertem todos alarmas/ Que o homem que eu era voltou/ A tribo toda reunida / Ração dividida ao sol / De nossa Vera Cruz/ Quando o descanso era luta pelo pão E aventura sem par/ Quando o cansaço era rio/ E rio qualquer dava pé E a cabeça rodava / Num gira-girar de amor/ E até mesmo a fé Não era cega nem nada/ Era só nuvem no céu e raiz/ Hoje essa vida só cabe Na palma da minha paixão/ De Vera nunca se acabe/ Abelha fazendo o seu mel No canto que criei/ Nem vá dormir como pedra/ E esquecer o que foi feito de nós.

Composição: Milton Nascimento/Fernando Brant
e as mudanças continuam a acontecer... são muitas... na forma de pensar, de ver... de sentir....

sexta-feira, 24 de junho de 2011

01:37. o sono não vem. a madrugada avança. vou ler um livro. tentar deixar o sono vir...
(Ernest Hemingway - Carey Stoll, "Meia Noite em Paris")
Mais um detalhe sobre o filme "Meia Noite em Paris": Não tem como não saborear cada linha de diálogo entre Gil (Owen Wilsone) e um Ernest Hemingway (Carey Stoll) galanteador, bêbado, pessimista e extremamente charmoso!!!

Meia noite em Paris

Fui assistir ao filme "Meia Noite em Paris". Não sou fã de todos os filmes de Woody Allen, alguns gosto mais que outros, mas esse, com certeza me surpreendeu. Primeiro que nem se percebe o tempo passar... o cenário, os personagens, os artistas e escritores que você vai descobrindo ao longo do filme... as falas e reflexões sobre o tempo, o passado, nostalgia... que noção temos de nós mesmos? Da nossa própria época? O que nos atrai no passado? Quem são aqueles que nos inspiram, que dizem um pouco do que somos e a quem queríamos encontrar se pudéssemos fazer uma viagem como aquela? A Paris dos anos 20... a chuva, os museus, as ruas, a música, os cafés... já estive em Paris, e me deu uma imensa vontade de voltar... e esperar o carro passar a meia noite... quem sabe??!!!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

andanças

arrumar a bagunça da casa... tentar me acostumar com uma gata, (nunca gostei de gatos, mas estou tentando... vale a experiência... vamos ver até quando eu aguento.... ), começar um novo livro (uma biografia), ir ao cinema ver um filme de Woody Allen (mas não em cinema de shopping, não gosto....), ir pro sítio, procurar pássaros nas árvores, caminhar, respirar... deitar na rede... prosear... pensar na vida... não pensar... é junho então é uma boa preparar pinhão, pipoca, milho, acender uma fogueira, esperar anoitecer... ver o sorriso das crianças, curtir um novo bebê que chegou na família, achar graça de tudo que ele faz, até quando está quietinho dormindo... pensar no futuro, dar alguns passos em direção á ele... mais alguns... sem pressa porque tudo seu tempo debaixo do céu... curtir o frio, a noite, os livros e as estrelas... viver um dia de cada vez.

terça-feira, 14 de junho de 2011

eu não quero nem saber... nem venha me falar, eu não quero ouvir... mundos que não se encontram, perda de tempo... não há nada que eu possa sentir, isso não me move, não me leva até você, não dá. é simples assim.

domingo, 12 de junho de 2011

E fico sempre mais forte, mesmo sentindo saudade.

Caio Fernando Abreu

sábado, 4 de junho de 2011

"Quem é você pra me chamar aqui se nada aconteceu?
Me diz, foi só amor ou medo de ficar sozinho outra vez?"
Marcelo Camelo

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Eu quero a sorte de um amor tranqüilo/ Com sabor de fruta mordida / Nós na batida, no embalo da rede
Matando a sede na saliva (...)
Cazuza

Amor é um livro/ Sexo é esporte/ Sexo é escolha/Amor é sorte... Amor é pensamento/Teorema /Amor é novela/ Sexo é cinema... Sexo é imaginação/ Fantasia/ Amor é prosa/ Sexo é poesia.../ O amor nos torna Patéticos /Sexo é uma selva /De epiléticos.../Amor é cristão /Sexo é pagão /Amor é latifúndio /Sexo é invasão /Amor é divino Sexo é animal /Amor é bossa nova/ Sexo é carnaval/ Amor é para sempre /Sexo também /Sexo é do bom /Amor é do bem.../Amor sem sexo/ É amizade /Sexo sem amor/ É vontade.../ Amor é um/ Sexo é dois/ Sexo antes/ Amor depois.../ Sexo vem dos outros/ E vai embora/ Amor vem de nós/ E demora.../ Amor é cristão/ Sexo é pagão/ Amor é latifúndio/ Sexo é invasão/ Amor é divino/ Sexo é animal/ Amor é bossa nova/ Sexo é carnaval/ Amor é isso/ Sexo é aquilo/ E coisa e tal!/ E tal e coisa!/ Ai o amor!/ Hum! O sexo!

Rita Lee

Frida

''Ele leva uma vida plena, sem o vazio da minha. Não tenho nada porque não o tenho.''
Frida Kahlo

Diego