segunda-feira, 29 de março de 2010

(...)
Eu só quero me perder
Eu não quero este poder
Chamar o sapo de príncipe
Comer você de manhã
(...)

Vanessa da Mata
Sua voz.
Eu não dormiria e ficaria ouvindo a sua voz.
Até o amanhecer...

" Olhar preso no meu, perdidamente.
Não exijas mais nada. Não desejo também mais nada, só te olhar, enquanto a realidade é simples, e isto apenas".

Mario de Andrade

Devo confessar preliminarmente, que eu não sei o que é belo e nem sei o que é arte.

Mário de Andrade

domingo, 28 de março de 2010

Samuel Beckett e Gerald Thomas em Paris, 1984

sexta-feira, 26 de março de 2010



Jogar Capoeira ou Danse de la guerre de Johann Moritz Rugendas, 1835

Berimbau

Quem é homem de bem
Não trai!
O amor que lhe quer
Seu bem!
Quem diz muito que vai
Não vai!
Assim como não vai
Não vem!...

Quem de dentro de si
Não sai!
Vai morrer sem amar
Ninguém!
O dinheiro de quem
Não dá
É o trabalho de quem
Não tem!
Capoeira que é bom
Não cai!
E se um dia ele cai
Cai bem!...

Capoeira me mandou
Dizer que já chegou
Chegou para lutar
Berimbau me confirmou
Vai ter briga de amor
Tristeza camará...

Se não tivesse o amor (2x)
Se não tivesse essa dor (2x)
E se não tivesse o sofrer (2x)
E se não tivesse o chorar (2x)
Melhor era tudo se acabar (2x)

Eu amei, amei demais
O que eu sofri por causa de amor ninguém sofreu
Eu chorei, perdi a paz
Mas o que eu sei é que ninguém nunca teve mais, mais do que eu

Capoeira me mandou
Dizer que já chegou
Chegou para lutar
Berimbau me confirmou
Vai ter briga de amor
Tristeza camará...

Hê! Hê! Camará!
Hê! Hê! Camará!
Hê! Hê! Camará!
Hê! Hê! Camará!

Composição: Baden Powell e Vinicius de Moraes
Aponta pra fé e rema!
Los Hermanos

terça-feira, 23 de março de 2010

quinta-feira, 18 de março de 2010

SKAP

Quando você pinta tinta, dessa tela cinza
Quando você passa doce, dessa fruta passa
Quando você entra mãe-benta, amor aos pedaços
Quando você chega nega fulô
Boneca de piche
Flor de azeviche

Você me faz parecer menos só
Menos sozinho
Você me faz parecer menos pó
Menos pozinho

Quando você fala bala, no meu velho oeste
Quando você dança lança flecha, estilingue
Quando você olha molha meu olho que não crê
Quando você pousa mariposa morna, lisa
O sangue encharca a camisa

Você me faz parecer menos só
Menos sozinho
Você me faz parecer menos pó
Menos pozinho

Quando você diz, o que ninguém diz
Quando você quer, o que ninguém quis
Quando você ousa lousa pra que eu possa ser giz
Quando você arde, alardeia sua teia cheia de ardis
Quando você faz a minha carne triste, quase feliz.


Zeca Baleiro

Seja eu!
Seja eu!
Deixa que eu seja eu
E aceita
O que seja seu
Então deita e aceita eu...

Molha eu!
Seca eu!
Deixa que eu seja o céu
E receba
O que seja seu
Anoiteça e amanheça eu...

(...)

Composição: Marisa Monte / Arnaldo Antunes / Arto Lindsay

quarta-feira, 17 de março de 2010

Porque a mente é como um paraquedas, só funciona depois de aberta.

Frank Zappa
"Em luta, meu ser se parte em dois. Um que foge, outro que aceita. O que aceita diz: não. Eu não quero pensar no que virá: quero pensar no que é. Agora. No que está sendo. Pensar no que ainda não veio é fugir, buscar apoio em coisas externas a mim, de cuja consistência não posso duvidar porque não a conheço. Pensar no que está sendo, ou antes, não, não pensar, mas enfrentar e penetrar no que está sendo é coragem. Pensar é ainda fuga: aprender subjetivamente a realidade de maneira a não assustar. Entrar nela significa viver."

Caio Fernando Abreu
“Num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra.”
Caio Fernando Abreu

Para quem não quer se apaixonar

Do blog http://poetriz.wordpress.com/2008/07/10/pra-quem-nao-quer-se-apaixonar/

Pra quem não quer se apaixonar por alguem é fácil.
Primeito minta pra si mesmo, convença-se de que está bem sozinho, que não é dessas pessoas que precisam estar com alguém pra se sentir feliz. A partir daí é fácil.
Fique em casa. Nada melhor que se esconder pra não conhecer ninguém.
E quando for inevitável sair, não repare nas pessoas, e jamais, mas jamais mesmo, corresponda a um olhar ou um sorriso. Isso é arriscadíssimo! Um sorriso ou um olhar são capazes de derrubar qualquer resolução.
Não compre roupas que lhe caiam bem, nem perfumes afrodisíacos, não dê valor à vaidade. Quando não chamamos a atenção, evitamos que as pessoas reparem em nós e evitamos comentários, sussurros, elogios e abraços demorados.
Ah, abraços demorados… Fuja completamente deles! Nada de abraços, essa proximidade com o calor e o coração do outro pode atrapalhar tudo!
E beijos no rosto, próximos a orelha ou no pescoço, naquela curva que fica o perfume escondido, tão próximos dos cabelos. Isso, está terminantemente proibido! Esses locais são perigosos…
Não dance. Sair pra dançar é arriscadíssimo! Você esbarra em pessoas, olha para outras, além do que a música e a luz confundem as decisões.
Não ria perto das pessoas, ou alguém pode sorrir junto e você se confundir com o brilho do riso dessa pessoa.
Não se exercite ou faça meditação. Cultivar o silêncio interior é essencial.
Não leia para evitar ter assunto para conversar. E mesmo aquelas suas idéias, nunca diga a ninguém. Corre-se o risco de encontrar alguém que pensa igual, ou que admire suas opiniões, e então porá tudo a perder. O ser humano gosta de se sentir admirado, e pode acabar confundindo isso com paixão.
Não assista filmes, eles podem querer te convencer que todo mundo deve ter um par.
Quando lhe perguntarem por que não namora, diga que é bem resolvido, não precisa dessas besteiras.
Inevitavelmente você se sentira sozinho as vezes, então crie um blog pra desabafar. Mas não visite ninguém, porque isso pode fazer alguém voltar pra retribuir a visita e a pessoa ler seu texto, se identificar e aí iniciar um diálogo. E diálogos e conversas são a mesma coisa, podem confundir admiração com paixão.
Crie expectativas com padrões altíssimos, do tipo, corpo de miss, inteligência de phd, que cuide de você como sua mãe. E na versão masculina, alguém com corpo malhado, inteligência de phd e apaixonado igual o Gerard Butler em “PS: Eu te amo”. Também pode ser igual o Richard Gere em “Uma linda mulher” ou outro filme que você goste. Eu ainda recomendo o mocinho de “Antes que termine o dia” (Only you)…
Uma boa tática também é deixar se apaixonar por alguém distante, aquele seu amigo de infância que você nunca mais viu. Aquele canalha do seu ex que nunca mais apareceu. Aquela paixão platônica que você nunca revelou, aquele conhecido que mora em outro país ou aquele artista que nem sabe que você existe. Pra todos esses casos, a justificativa sempre estará no outro: “Ah, mas ele nunca mais apareceu… “, “Ah, mas um dia eu vou conhecê-lo…”; “Ah, mas depois dele não consegui mais me apaixonar por ninguém”.
No mais, desejo sorte!
Porque o destino insiste em mudar todos os nossos planos…

terça-feira, 16 de março de 2010

Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.

Clarice Lispector

segunda-feira, 15 de março de 2010

Sem Fantasia

"Vem, meu menino vadio
Vem, sem mentir pr'a você
Vem, mais vem sem fantasia
Que da noite pr'o dia
Você não vai crescer

Vem, por favor não evites
Meu amor, meus convites
Minha dor, meus apelos
Vou te envolver nos cabelos
Vem perder-te em meus braços

Pelo amor de Deus

Vem que eu te quero fraco
Vem que eu te quero tolo
Veu que eu te quero todo meu

(...)


Eu quero te contar

Das chuvas que apanhei
Das noites que varei
No escuro a te buscar
Eu quero te mostrar
As marcas que ganhei
Nas lutas contra o rei
Nas discussões com Deus
E agora que cheguei
Eu quero a recompensa
Eu quero a prenda imensa
Dos carinhos teus."

Chico Buarque

“As imagens dão acesso não ao mundo social diretamente, mas sim, visões contemporâneas daquele mundo [...] O testemunho das imagens necessita ser colocado no “contexto”, ou melhor, em uma série de contextos no plural (cultural, político, material, e assim por diante [...] Uma série de imagens oferece testemunho mais confiável do que imagens individuais [...] No caso de imagens, como no caso de textos, o historiador necessita ler nas entrelinhas, observando os detalhes pequenos mas significativos – incluindo ausências significativas – usando-os como pistas para informações que os produtores de imagens não sabiam que eles sabiam, ou para suposições que eles não estavam conscientes de possuir.”

BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem; tradução Vera Maria Xavier dos Santos; revisão técnica Daniel Aarão Reis Filho. – Bauru, SP: EDUSC, 2004. pp 236-238
(...)a terra se move
falou galileu
não sou maluco nem sou careta
minha tribo sou eu (...)

Zeca Baleiro

sexta-feira, 12 de março de 2010

BILHETE
Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

Mário Quintana
O passado é lição para se meditar, não para se reproduzir.

Mário de Andrade
Hoje vi que ia passar o filme As Horas no HBO. Quando vi esse filme pela primeira vez saí do cinema com um sentimento de incômodo, de silêncio... das outras vezes que revi o filme também... sempre o mesmo incômodo... A vida e a obra de Virgínia Woolf são perturbadoras e desacomodam sentimentos e pensamentos... "A vida é como um sonho, acordar é que nos mata!"

Ser o que se quer ser
não se transformar naquilo que você não quer ser
retomar seus sonhos
ouvir a própria voz
ver, ouvir, sentir, abraçar
aprender...

yoga

A arte de perder

“A arte de perder não é nenhum mistério;
Tantas coisas contêm em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério.
Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero,
A chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subseqüente
Da viagem não feita. Nada disso é sério.
Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
Lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.
Perdi duas cidades lindas. E um império
Que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.
– Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo que eu amo) não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser mistério por muito que pareça (Escreve!) muito sério."

Elizabeth Bishop

domingo, 7 de março de 2010

sexta-feira, 5 de março de 2010

"Quando alguém lhe mostrar quem é... acredite da primeira vez!"

quinta-feira, 4 de março de 2010

Vivendo e aprendendo... capoeira.

"Dormia no terraço, ao ar livre, e os raios oblíquos do sol matinal me despertavam. Vestia-me às pressas, punha debaixo do braço uma toalha, um romance francês, e ia-me banhar no riacho, à sombra de um bétula que ficava a meia versta de casa. Depois, estirava-me e lia, parando às vezes para contemplar o lilás sombrio da superfície do riacho que começava a se agitar ao sopro da brisa da manhã, ou o campo dourado de centeio que ficava na margem oposta."

Leon Tolstoi

quarta-feira, 3 de março de 2010

(...)

Ser feliz
O melhor lugar é ser feliz
O melhor é ser feliz
Mas
Onde estou
Não importa tanto aonde vou
O melhor é ter amor

(...)

Aracaju

Caetano Veloso

É tão difícil falar e dizer coisas que não podem ser ditas. É tão silencioso. Como traduzir o silêncio do encontro real entre nós dois? Dificílimo contar. Olhei pra você fixamente por instantes. Tais momentos são meu segredo. Houve o que se chama de comunhão perfeita. Eu chamo isto de estado agudo de felicidade.

Clarice Lispector

Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.

Carlos Drummond de Andrade
O potencial autêntico da democracia vem perdendo terreno hoje para a ascensão de um novo capitalismo autoritário
Slavoj Zizek
A filosofia não pode nos consolar. Poderia, talvez, nos ajudar a viver uma "vida sem consolação"
Jeanne-Marie Gagnebin
Nosso tempo, sem dúvida... prefere a imagem à coisa, a cópia ao original, a representação à realidade, a aparência ao ser... O que é sagrado para ele, não passa de ilusão, pois a verdade está no profano. Ou seja, à medida que decresce a verdade a ilusão aumenta, e o sagrado cresce a seus olhos de forma que o cúmulo da ilusão é também o cúmulo do sagrado.

Feuerbach — Prefácio à segunda edição de A Essência do Cristianismo

terça-feira, 2 de março de 2010