sábado, 27 de setembro de 2008

Se você pudesse entrar em meus pensamentos...
agora, por apenas dez segundos
talvez entenderia o porque da minha ausência
você pode estar pensando agora
procurando saber
ou entender
mas também pode nem ter notado
não ter parado pra pensar
no significado de tudo isso...
Algo me diz que as coisas não são o que parecem
e muitas palavras são vazias... palavras de efeito...
um esconderijo... uma luta vã...
Talvez uma dia você entenda
e eu também entenda...
mas por mais que eu tente nao pensar
a cada dia aumenta mais a dor dessa saudade!
Na mente seu sorriso
e tudo então é confusão
não há controle... pensamentos... sentimentos... saudades... nada...
Razão? Nenhuma!
Droga!
Tudo certo e sem sentido....
Nem eu mesma consigo entender...
Eu queria falar contigo agora... mas não posso, me desculpe...
Não posso fazer isso...
Há algo em mim hoje que não permite...
Mas isso ainda me consome...
e nunca ninguem entenderia...
nem mesmo saberia,
que é você que consome todas as minhas vontades
todos os meus pensamentos
toda a minha saudade!

Silêncio

Tudo é silêncio
para não dizer o que não deve ser dito
para procurar entender o que poderia ter sido
e o que ainda virá...
Não sei o que aconteceu ontem
esquecimento...
esquecimento que num primeiro momento... um susto...
e depois, alívio, um bom sinal... apenas um bom sinal...
O que é você em meus pensamentos?

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Convém em certas ocasiões, ocultar o que se traz no coração...
Molière
Você pode pensar o que quiser...
do louco e absurdo universo que você criar
é pra você mesmo que estará criando...
não quero nem preciso fazer parte dele!

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

domingo, 7 de setembro de 2008

Os Homens Ocos


"A penny for the Old Guy"
(Um pêni para o Velho Guy)


Nós somos os homens ocos
Os homens empalhados
Uns nos outros amparados
O elmo cheio de nada. Ai de nós!
Nossas vozes dessecadas,
Quando juntos sussurramos,
São quietas e inexpressas
Como o vento na relva seca
Ou pés de ratos sobre cacos
Em nossa adega evaporada

Fôrma sem forma, sombra sem cor
Força paralisada, gesto sem vigor;

Aqueles que atravessaram
De olhos retos, para o outro reino da morte
Nos recordam - se o fazem - não como violentas
Almas danadas, mas apenas
Como os homens ocos
Os homens empalhados.

T. S. Eliot

sábado, 6 de setembro de 2008

Josué de Castro


"Denunciei a fome como flagelo fabricado pelos homens, contra outros homens".
Muitas vezes
a solidão acompanhada de si mesmo
é mais VIDA
que uma presença IRRITADIÇA....
Há um silêncio em mim
que diz coisas que preciso ouvir...