quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Bomba H

Pra que rancor, tanto tédio
Pra que terror, tanta mágoa
A vaca já foi pro brejo
Os burros já deram n'água

Os burros já deram n'água
Pra quê rogar tanta praga
Pra quê, se não tem remédio
Pra que abrir outra chaga
Por que não dormir sem medo

Por que não dormir sem medo
Pra que ferir, ser ferido
Pra que somente repúdio
Pra que achar tudo errado
Se o tal telhado é de vidro

Se o tal telhado é de vidro
Pra que olhar raso n'água
Por que não só de desejo
Paixão é qual bombea H
Seu estopim é o beijo

Seu estopim é o beijo.

(Ney Matogrosso)

Depois melhora

Sempre que alguém daqui vai embora
Dói bastante mais depois melhora e com o tempo
Vira um sentimento que nem sempre aflora mas que fica na memória
Depois vira um sofrimento que corrói tudo por dentro
Que penetra no organismo, que devora
Mas depois também melhora

Sempre que alguém daqui vai embora
Dói bastante mais depois melhora e com o tempo
Torna-se um tormento que castiga e deteriora
Feito ave predatória, depois vira um instrumento de martírio virulento
Uma queda no abismo que apavora
Mas depois também melhora

Fica uma força inexplicável
Que deixa todo mundo mais amável
Um pouco é conseqüência da saudade
Um pouco é que voltou a felicidade
Um pouco é que também já era hora

Um pouco é pra ninguém mais ir embora
Vira uma esperança
Cresce de um jeito que a gente até balança
Ás vezes dói bastante mais melhora
Assim é só felicidade aqui, agora
É bom não falar muito que piora
É só felicidade

(na voz de Ney Matogrosso)

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Hoje eu escrevi demais, senti saudades demais, pensei demais em alguém, escrevi, escrevi... coisas que não podem vir parar aqui... Segredo. Só conto se você me perguntar...
A noite chega e com ela os pensamentos vão tomando forma, conteúdo... não há como reviver o passado, só é possível escrever uma história nova. Há histórias de amor que se transformam em filmes de terror... e quanto mais se busca esse passado mais ele te assombra. Não só te assombra como te imobiliza e você já não consegue nem voltar ao passado e nem caminhar em direção ao futuro. Tudo permanece sem sentido. Melhor dar uma pausa, tomar um chá de erva-cidreira, ouvir uma daquelas músicas que você sabe de cor e que ainda pode dançar pela casa seguindo seu ritmo e por um momento esquecer tudo isso...

terça-feira, 25 de agosto de 2009

A saudade é um sonho insone.
A saudade é o coração dando sombra.

Saudade - ninho de ausências.
Saudade - um fogo enorme, num monte de gelo.
Saudade - cofrezinho sem chave.

Por que, se nem sou, e o tempo me leva também? A saudade, cor de rato ou elefante... (saudade salafrária, SUA-DADE, ausênciamento...) Um pedaço de caminho, TÃO PARADO, nas falsas paradas do tempo. O não-vazio - que me sojiga o coração? (Ela, com seus mil morcegos; azuis? Sei:)

ESTOU TRISTE, QUANDO EM VÃO,
QUANDO ÀS VEZES ME INCOMPLETO
...de amando em quando.

E - a saudade - entrequanto:
FONTE FECHADA
CAMPO INFRENE
AVE DO CAMPO

(...)

...não-te, nem teu não, nem teu rosto! Nem mais o que houve, preso ausente, nem mesmo o que não haverá... sim, saudade.


João Guimarães Rosa
Ave, Palavra

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Não sei ao certo o que é esse sentimento que aflora na madrugada... não sei se é tristeza, saudade, melancolia... algo que vem e que passa... que agita e depois se acomoda... mas que está aqui e não me deixa esquecer!

VLADIMIR - Eu estava dormindo, enquanto os outros sofriam? Estarei dormindo agora? Amanhã, quando eu estiver pensando que acordei, que direi do dia de hoje? Que junto com Estragon, meu amigo, neste lugar, até o cair da noite, eu esperei por Godot? Que Pozzo falou com seu carregador e falou conosco? Sem dúvida. Mas o que haverá de verdade em tudo isso? (Estragon, que tentara em vão tirar os seus sapatos, cochilou de novo. Vladimir o contempla.) Ele não saberá de nada. Ele falará dos golpes que recebeu e eu lhe darei uma cenoura. (Pausa.) Escarranchado sobre um túmulo e um nascimento difícil. Do fundo do buraco, indolentemente, o Coveiro aplica seu fórceps. Temos tempo para envelhecer. O ar está cheio de nossos gritos. (Escuta.) Mas o hábito é um grande abafador. (Olha Estragon.) Também para mim alguém está olhando, também de mim alguém estará dizendo: Ele está dormindo, ele não sabe nada, deixe-o dormir. (Pausa.) Não posso continuar. (Pausa.) O que foi que eu disse? (Esperando Godot - Samuel Beckett)

"Quanto mais ando, querendo pessoas, parece que entro mais no sozinho do vago..." - foi o que pensei na ocasião. De pensar assim me desvalendo. Eu tinha culpa de tudo, na minha vida, e não sabia como não ter. Apertou em mim aquela tristeza, da pior de todas, que é a sem razão de motivo; que, quando notei que estava com dor-de-cabeça, e achei que por certo a tristeza vinha era daquilo, isso até me serviu de bom consolo. E eu nem sabia mais o montante que queria, nem aonde eu extenso ia. (João Guimarães Rosa - Grande Sertão:Veredas)

"... Contudo, sem ser mórbida e mexendo nas lembranças, devo confessar que vejo nisto alguma coisa de triste na vida. Não me refiro à tristeza que todos nós conhecemos, como a doença, a pobreza e a morte. Não, é algo diferente. É lá no fundo, bem no fundo, faz parte da gente, como a respiração. Por mais que trabalhe, por mais que me canse, basta parar para sentir que essa coisa está lá, esperando. Muitas vezes eu me pergunto se todo mundo sente do mesmo jeito. Nunca se pode saber. Mas não é extraordinário que dentro de seu canto alegre, doce, tudo o que eu ouvia era: tristeza? ah, o que é isto?" (O Canário) Katherine Mansfield

Katherine Mansfield nasceu em 14 de outubro de 1888, em Wellington, Nova Zelândia. Filha de pais ingleses, de 1903 a 1906 estudou na Inglaterra. Morreu no dia 09 de janeiro de 1923, aos 34 anos de idade. Sua consagração ocorreu após a morte. Teve mais de dez títulos póstumos, entre relatos curtos, cartas e diários. Hoje é considerada um dos maiores nomes da literatura inglesa. Dela disse Virginia Woolf, que a considerava o maior nome de contista na língua inglesa: "eu tinha ciúme do que ela escrevia".

De Clarice Lispector sobre Katherine:

"Em uma outra vida que tive, aos 15 anos, entrei numa livraria, que me pareceu o mundo que gostaria de morar. De repente, um dos livros que abri continha frases tão diferentes que fiquei lendo, presa, ali mesmo. Emocionada, eu pensava: mas esse livro sou eu! Só depois vim a saber que a autora era considerada um dos melhores escritores de sua época: Katherine Mansfield."




"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... Ou toca, ou não toca". (...) "Eu escrevo simples. Eu não enfeito." Clarice Lispector.

Clarice Lispector

"... eu só escrevo quando eu quero, eu sou uma amadora e faço questão de continuar a ser amadora. Profissional é aquele que tem uma obrigação consigo mesmo de escrever, ou então em relação ao outro. Agora, eu faço questão de não ser profissional, para manter minha liberdade."

"Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível,é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador".

domingo, 9 de agosto de 2009

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Agora já não precisava ouvir. Sabia que isso não poderia durar, mas no momento seus olhos estavam tão límpidos que pareciam circular pela mesa desvendando o interior das pessoas, seus pensamentos e seus sentimentos, sem esforço, como uma luz que penetra furtivamente sob a água e ilumina os juncos imersos, os barrigudinhos se movendo e a truta rápida e silenciosa, em todo o seu frêmito e em todas as suas ondulações. Era assim que os via e ouvia; mas tudo o que diziam também tinha essa capacidade de se assemelhar ao movimento de uma truta, quando a ondulação da água e o cascalho do fundo, alguma coisa à direita e à esquerda, são percebidos de um só relance; pois – enquanto na vida ativa ela unia e dissociava uma coisa da outra, afirmava que gostava dos romances de Scott ou que não os tinha lido, sentindose pressionada a ir adiante – agora ela não dizia nada. No momento permanecia em suspenso. (p. 113)

Rumo ao Farol. Virginia Woolf
Liberdade pra existir
libertade pa sentir
liberdade pra crescer
liberdade pra aprender...
aprender a ser!

"Não há ninguém capaz de ser isto que você quer..."
Los Hermanos

domingo, 2 de agosto de 2009

sábado, 1 de agosto de 2009