sábado, 17 de outubro de 2009

Que este amor não me cegue nem me siga.

E de mim mesma nunca se aperceba.

Que me exclua do estar sendo perseguida

E do tormento

De só por ele me saber estar sendo. (...)


Cantares do sem nome e de partidas, de Hilda Hilst

Nenhum comentário:

Postar um comentário