sábado, 26 de abril de 2008

Daniel na cova dos leões

Aquele gosto amargo do teu corpo Ficou na minha boca por mais tempo De amargo então salgado ficou doce, Assim que o teu cheiro forte e lento Fez casa nos meus braços e ainda leve Forte, cego e tenso fez saber Que ainda era muito e muito pouco. Faço nosso o meu segredo mais sincero E desafio o instinto dissonante. A insegurança não me ataca quando erro E o teu momento passa a ser o meu instante. E o teu medo de ter medo de ter medo Não faz da minha força confusão Teu corpo é meu espelho e em ti navego E eu sei que a tua correnteza não tem direção. Mas, tão certo quanto o erro de ser barco A motor e insistir em usar os remos, É o mal que a água faz quando se afoga E o salva-vidas não está lá porque Não vemos.
Legião Urbana

Nenhum comentário:

Postar um comentário