terça-feira, 7 de julho de 2009

Uma lembrança daquela rua. O cinema, o filme, a lanchonete. Silêncio. Até que os corpos se acertem de novo e se encontrem na mesma rua. A rua espera os passos tímidos dos eternos amantes. A rua sente seus desejos, suas vontades. A rua expõe as suas verdades. E eles se beijam como se fosse a primeira vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário