quinta-feira, 30 de abril de 2009

Edgar Allan Poe (1809 - 1849) 
É verdade! Tenho sido e sou nervoso, muito nervoso, terrivelmente nervoso! Mas, por que ireis dizer que sou louco? A enfermidade me aguçou os sentidos, não os destruiu, não os entorpeceu. Era penetrante, acima de tudo, o sentido da audição. Eu ouvia todas as coisas, no céu e na terra. Muitas coisas do inferno ouvia. Como, então, sou louco? Prestai atenção! E observai quão lucidamente, quão calmamente vos posso contar toda a estória.” (Início do conto O Coração Denunciador ( The Tell - Tale Heart ), de 1843)

Nenhum comentário:

Postar um comentário