terça-feira, 25 de agosto de 2009

A saudade é um sonho insone.
A saudade é o coração dando sombra.

Saudade - ninho de ausências.
Saudade - um fogo enorme, num monte de gelo.
Saudade - cofrezinho sem chave.

Por que, se nem sou, e o tempo me leva também? A saudade, cor de rato ou elefante... (saudade salafrária, SUA-DADE, ausênciamento...) Um pedaço de caminho, TÃO PARADO, nas falsas paradas do tempo. O não-vazio - que me sojiga o coração? (Ela, com seus mil morcegos; azuis? Sei:)

ESTOU TRISTE, QUANDO EM VÃO,
QUANDO ÀS VEZES ME INCOMPLETO
...de amando em quando.

E - a saudade - entrequanto:
FONTE FECHADA
CAMPO INFRENE
AVE DO CAMPO

(...)

...não-te, nem teu não, nem teu rosto! Nem mais o que houve, preso ausente, nem mesmo o que não haverá... sim, saudade.


João Guimarães Rosa
Ave, Palavra

Nenhum comentário:

Postar um comentário