sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Eu, que nada mais amo
Do que a insatisfação com o que se pode mudar
Nada mais detesto
Do que a profunda insatisfação com o que não pode ser mudado

Bertolt Brecht
Poemas 1913-1956

Nenhum comentário:

Postar um comentário